sábado, 11 de novembro de 2017

Lázaro Ramos desabafa nas redes após frase racista de William Waack

[Lázaro Ramos desabafa nas redes após frase racista de William Waack]
A frase "é coisa de preto" dita por William Waack e vista por inúmeros internautas após o vídeo ser divulgado na internet, provocou um desabafo de um dos atores negros mais consagrados da televisão brasileira, Lázaro Ramos. Defensor nato da igualdade racial, o ator utilizou seu perfil oficial do Instagram para fazer um desabafo sobre o ocorrido. 
Com um texto de Johnatan Oliveira Raimundo, ele inicia a postagem com a mesma frase utilizada pelo jornalista, já afastado do Jornal da Globo, e que compõe o texto citado. No fim, Lázaro ressalta que racismo é crime, de forma bastante taxativa. “Racismo é crime e ponto final”.
“Coisa de Preto é a bruxaria contida num conto de Machado de Assis. Um samba escrito pela caneta de Mauro Diniz. Coisa de preto é a poesia de Cartola. Os dedos a bailar sobre o violão de Paulinho da Viola. Ah, só podia ser preto — Romário, Imperador, Ronaldinho. Responder ao racismo com Lamentos em forma de chorinho. Pixinguinha, preto rei, rei dessa coisa escura. Renato Gama autodidata senhor da soltura. Coisa de preto é manter-se grande diante de quem mata. É se precisar ameaçar com canhão pelo fim da chibata. Coisa de preto é viver com alegria”, diz o texto de Johnatan Oliveira Raimundo citado pelo astro da série Mister Brown.
“Inventar a matemática, arquitetura, medicina, agricultura e filosofia. Ser parte da primeira civilização. Ser senhor do Blues, do Samba, do Reggae, do Pop, Soul, do Jazz. É manter amor à Terra diante de um povo que a desdenha pelo céu. Coisa de preta é Jovelina partideira. Milton, Djavan, Tim, Alcione e Candeia. Veja a noite Yurugu, fique atento. É preta a senhora dona do vento. Veja, estejas pronto e ouvindo.” Jonathan Oliveira Raymundo. E eu completo aqui: é tudo isso é muito mais. E pra você, o que é? E só pra não esquecer: racismo é crime e ponto final.”
Fonte: Bocão News

0 comentários:

Postar um comentário