Header Ads

Seo Services




Uninter

Bolsonaro diz que ainda não foi convencido de que lockdown funciona



 O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 2ª feira (22.mar.2021) que continua sem acreditar na efetividade do lockdown, isso é, da política de confinamento imposta por governantes para tentar frear o avanço da pandemia de covid-19.

Eu devo mudar meu discurso? Devo me tornar mais maleável? Devo ceder? Fazer igual à grande maioria está fazendo? Se me convencerem do contrário, faço, mas não me convenceram ainda. Devemos lutar é contra o vírus, não contra o presidente. Não estou dando recado para ninguém. É uma realidade, uma constatação”, disse.

Bolsonaro deu a declaração em evento de assinatura do decreto que regulamenta o novo Fundeb e de sanção do Projeto de Lei 1.615/2019, que trata da visão monocular, no Palácio do Planalto.

Na cerimônia, Bolsonaro disse que “topa  [adotar]” a política de confinamento no Brasil “se [a população] ficar em lockdown por 30 dias e acabar com vírus”, o que, segundo ele, não acontecerá.

“Vamos buscar maneira de atender à população, vamos. Parece que, no mundo todo, só no Brasil está morrendo gente. Lamento o número de mortes, qualquer morte. Não sabemos quando isso vai acabar, se vai acabar um dia. Na Itália, está vindo a 3ª onda. Vão ficar fechados até quando?”, declarou.

Para reforçar o discurso antilockdown, Bolsonaro voltou a citar a fala do enviado especial da OMS, David Nabarro, ao dizer que a medida “não salva vidas e faz os pobres muito mais pobres”.

A fala tem sido utilizada pelo mandatário fora de contexto. Em entrevista concedida ao site americano The Spectator, Nabarro disse que a OMS não recomenda o lockdown por deixar pessoas pobres em situação vulnerável, porém reforçou que o método deve ser aliado a outras ações. A fala foi reforçada pela OMS em carta enviada à revista Veja, em outubro de 2020.

Governos, empregadores, comunidades devem aplicar um pacote de medidas comprovadas de saúde pública que sabemos serem eficazes para prevenir a transmissão, incluindo higiene das mãos e respiratória, distanciamento físico, uso de máscara, ficar em casa se estiver doente, etc. Sistemas para teste, isolamento, rastreamento e quarentena, etc”, afirmou a OMS.

Levantamento feito pelo Poder360 mostra que locais que implantaram medidas duras de isolamentos viram trajetória de alta de mortes cair em cerca de 3 semanas. O jornal digital analisou dados de 2 Estados –Maranhão e Amapá— e de 3 cidades –Fortaleza (CE), Belém (PA) e Araraquara (SP).

Os locais analisados com melhores resultados foram aqueles nos quais o isolamento permaneceu por mais tempo, apesar da pressão econômica. Foi o cenário em Belém, Fortaleza e Araraquara, onde as medidas duraram mais de 15 dias. Leia aqui a reportagem completa.

Troca no ministério

Bolsonaro também falou sobre a troca de ministros na pasta da Saúde. “Orgulho de ter o ministro Eduardo Pazuello no trabalho que fez no tocante à vacina. O novo [ministro Marcelo Queiroga] é médico, experiente, vai fazer um 2º tempo de um ministério voltado muito mais agora para a questão da medicina, mas não temos ainda cura do vírus, estamos buscando”, disse.

Mesmo com novo ministro da Saúde já anunciado, Eduardo Pazuello informou que deve permanecer no cargo até 4ª feira (24.mar). A declaração foi dada depois de reunião com Bolsonaro no Palácio do Planalto na manhã desta 2ª feira (20.mar). Com isso, a posse do cardiologista Marcelo Queiroga deve ficar para 5ª feira (25.mar).

Fundeb e monoculares

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta 2ª feira um projeto de lei que classifica a visão monocular (cegueira de 1 dos olhos) como deficiência para todos os efeitos legais. Na mesma cerimônia, foi assinado também o decreto que regulamenta o novo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).

A Lei Amália Baros, como ficou conhecida, permitirá que as pessoas que sofrem de cegueira de 1 dos olhos peçam o BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, estava ao lado de Bolsonaro. Segundo o presidente, ela teve a missão de convencer os ministros a evitarem posicionamentos contrários ao texto.

 

Por :Marcio Ramos

Jornalista DRT 5202/BA

Nenhum comentário:

Whats

Whats
Cofel
Uninter 2
Tecnologia do Blogger.