.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

sábado, 28 de julho de 2018

Poema: Amanhecendo em plena madrugada.

Bem distânte de meus sentidos se faz luz em minhas praias. Enquanto me dispo completamente de tudo que me causa retrocessos, empreendo mais uma viagem rumo às descortinadas àreas do tempo limitado e eterno chamado vida. Ninguém compreende, mas sou aquele solitário poeta que sorrindo se permite ao mesmo tempo a lágrima vestida de cores,aplausos em meio a uma praça sedenta de verde e esperânça. Sou aquele pássaro pousando discretamente nos ombros que trânsitam por entre ruas sem idêntidades,placas,avenidas,e ao tocar de leve em sua porta, deixa um suave convite prá liberdade que ainda naõ foi sentida, ou,vivida antes da morte de cada carreira terrena. Fica um grito ainda detido de forma inuzitado nas entranhas do profundas cavernas do meu ,palco de alegria e festa, para irmos juntos ao encontro da noite se unificando á alvorada do proximo dia. Léa s.s.

0 comentários:

Postar um comentário